Post image

Transtorno depressivo

O que é?

A depressão é um estado constante de tristeza que leva à falta de prazer na hora de realizar as tarefas do dia a dia. A tristeza é um sentimento natural em alguns acontecimentos de nossas vidas. Porém, sua duração é relativamente curta. A depressão, todavia, é a extensão desse sentimento por longos períodos sem que tenham sido registrados fatos motivadores para a geração desse sentimento.

Qual é a causa?

A ciência não aponta uma causa específica para a depressão. Na realidade, vários são os motivos indicados para o transtorno depressivo, especialmente em relação à genética, alimentação e a condição psicológica. Um dos fatores frequentemente associado à depressão é a hereditariedade. Pessoas que possuem familiares próximos com transtornos depressivos teriam predisposição à doença. Estudos científicos relatam ainda elementos biológicos e físicos como fatores que levam ao desenvolvimento do quadro depressivo. Falta de serotonina, acetilocolina, dopamina, adrenalina e noradrenalina estão entre os elementos biológicos que alteram os neurotransmissores cerebrais e facilitam o desenvolvimento da depressão. Essa falta pode ser causada até pela alimentação. Entre as questões físicas, os acidentes são a principal motivação para o desenvolvimento dos transtornos depressivos. Entretanto, são os problemas psicológicos os fatores dominantes no diagnóstico. Períodos onde a pessoa encontra dificuldades maiores nos relacionamentos ou passa por problemas econômicos gerando situações de estresse seriam o gatilho para disparar o estado de depressão. Existem momentos específicos capazes de gerar transtornos depressivos. O luto é um deles. No caso das mulheres, muitas sofrem distúrbios durante o período pré-menstrual e, eventualmente, após o parto. Fatores climáticos também poderiam disparar o estado de depressão. No outono e no inverno o clima geraria um intenso sentimento de tristeza que desaparece no verão e na primavera.

Quais os sintomas?

A falta de ânimo é o primeiro sintoma associado à depressão. O doente não tem vontade de levantar-se da cama e realizar tarefas simples como a higiene pessoal. Mas a lista de sintomas associados à doença é longa e inclui: sensação de tristeza constante, baixa autoestima, sentimento de culpa, ideias de suicídio, fadiga crônica, diminuição da capacidade de concentração e de tomar decisões, alteração no sono (sono demais ou insônia, dependendo da pessoa), alteração do apetite (perda ou aumento, também variável em cada quadro), diminuição no interesse sexual, crises de choro, isolamento social e agitação ou retardo no sistema psicomotor.

Como fazer o diagnóstico?

O médico precisa fazer uma entrevista com o paciente para descobrir a presença dos sintomas descritos acima. Eles indicarão não apenas a presença do quadro depressivo, mas também sua intensidade. Os transtornos depressivos de menor grau são qualificados como distimia. Já os quadros mais intensos são qualificados como depressão maior.

Qual o tratamento?

O uso de medicamentos antidepressivos é praticamente consenso na comunidade médica para o tratamento de transtornos depressivos. Em alguns casos, a psicoterapia também é indicada para auxiliar no tratamento. Nos transtornos depressivos mais graves, o uso de ansiolíticos e antipsicóticos também podem ser indicados.